Estrias: entenda por qual motivo elas ocorrem e quais são as melhores formas de tratá-las

As indesejadas estrias são um problema para muitas mulheres. Elas ocorrem devido a um estiramento da pele excessivo em determinadas partes do corpo, como seios, coxas, área do quadril e bumbum – sendo algumas das partes mais comuns para o aparecimento delas.

As estrias aparecem devido ao rompimento da camada mais interna da pele (a derme), causado pelo estiramento da pele. Entre as principais causas das estrias estão o “efeito sanfona” (engordar e emagrecer), excesso de peso, gravidez, crescimento dos músculos devido a exercícios físicos, e crescimento acelerado do corpo durante o período de “estirão” na adolescência. Também podem aparecer estrias nos seios após a colocação de próteses de mama, especialmente as de grande volume. Entretanto, não é possível prever quando as estrias aparecerão, pois isso depende muito do grau de elasticidade da pele de cada pessoa. O nível de hidratação da pele também interfere no aparecimento das estrias (quanto mais hidratada a pele, menores as chances de haver estrias). Em geral, quanto mais jovem o indivíduo, mais rígida é a pele e maiores são as chances de surgirem estrias nas situações descritas acima.

Mas será que é possível acabar com as estrias? Quais são os principais tipos e possíveis tratamentos para elas? Confira!

Tipos de estrias

As estrias, quando aparecem, são sempre avermelhadas, devido à ruptura da derme, que permite a visualização dos vasos sanguíneos debaixo da pele, por isso a coloração característica nessa primeira fase. As estrias avermelhadas respondem melhor aos tratamentos por ainda não estarem na fase de cicatrização.

Com o passar do tempo, as estrias cicatrizam e são preenchidas com tecido esbranquiçado de cicatrização, o que faz com que a coloração mude de vermelho para branco. Nessa fase, o tratamento é mais difícil, pois a pele já se estabilizou com esse aspecto.

Tratamentos para estrias

Pode-se tentar prevenir as estrias mantendo a pele hidratada, acrescentando mais consumo de água à alimentação, cuidar da dieta evitando carboidratos em excesso e utilizando cremes e óleos com propriedades hidratantes. Entretanto, em muitos casos, as estrias aparecem mesmo tomando esses cuidados, embora geralmente em menor quantidade.

Para tratar estrias com aspecto avermelhado, é indicado realizar uma consulta com um dermatologista para que ele possa indicar um creme à base de colágeno para o seu tipo de pele.

É possível também, para tratar tanto estrias avermelhadas, quanto esbranquiçadas, contar com o auxílio de alguns tratamentos estéticos como:

Laser fracionado – que aquece a área afetada, com o objetivo de estimular a produção de colágeno. A indicação é de 3 a 8 sessões, com intervalo entre 15 a 30 dias, dependendo da necessidade da paciente.

Peeling químico ou microdermobrasão – quando ocorre o auxílio de ácidos para promover a esfoliação da pele ou pelo atrito de microcristais – no caso da microdermobrasão – para uma esfoliação mais intensa da mesma, estimulando a produção de colágeno na área afetada.

A indicação é de 5 a 8 sessões, com indicação de intervalo de 15 a 30 dias, dependendo da necessidade da paciente.

Microagulhamento (derma roller) – consiste em passar um rolo metálico com várias agulhas minúsculas sobre a pele, a fim de criar pequenos orifícios que estimularão a cicatrização das estrias com produção de colágeno. O número de sessões varia de acordo com a quantidade e tamanho das estrias, desde uma até várias sessões, com intervalo em torno de 30 dias entre elas.

Preenchimento com ácido hialurônico – que consiste em um produto que preenche as partes afetadas por níveis, deixando a pele mais uniforme. A indicação é de 3 a 5 sessões, com intervalo de 30 dias, dependendo da necessidade da paciente.

Tatuagem das estrias – esta é uma prática que vem ganhando popularidade nos últimos anos. Tatuadores especializados aplicam pigmentos nas estrias para que elas fiquem com uma coloração mais próxima da cor da pele. Porém, deve-se tomar cuidado com a exposição solar, pois as estrias não se bronzeiam junto com a pele, o que pode fazê-las aparecer mais na pele bronzeada.

Afinal, quando pedir socorro para a cirurgia plástica?

Cirurgias plásticas como abdominoplastia (na qual se retira o excesso de pele do abdome – também chamada dermolipectomia abdominal) e mamoplastia (para retirar excesso de pele dos seios e levantá-los), são dois tipos de procedimentos que podem eliminar estrias através da sua retirada junto com a pele excedente, além de tratar a flacidez dessas áreas do corpo, inclusive para a mulher que já passou por uma ou mais gestações.

É importante lembrar que, mesmo com o auxílio destes procedimentos, as estrias podem não desaparecer por completo, já que, muitas vezes, não é possível retirar toda a pele com estrias, mas elas podem ser amenizadas e ficar praticamente imperceptíveis após uma cirurgia plástica satisfatória.

Outros casos específicos, como estrias em braços, coxas, costas e glúteos, também podem ser tratados com a retirada das estrias junto com o excesso de pele, dependendo do desejo da paciente e da quantidade de pele excedente na região.

Siga a Motiva nas redes sociais e acompanhe as melhores notícias sobre cirurgia plástica!

Fontes: Boa Forma / Dicas de Mulher

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *